Assistência Técnica  
Cursos
Dicionário Online
Eventos
Horóscopo Diário
Jogos
Links
Lista Telefônica
Notícias
Revenda
Serviços
Tempo na Cidade
Tradutor Online
WebMail
 
Ipor, 24 de Maio de 2019


28/02/2019: PF abre inquérito para investigar suspeita de uso de candidatas-laranj
 


A Polícia Federal abriu nesta quarta-feira (27) um inquérito para investigar suspeitas de candidaturas-laranja do PSL de Minas Gerais. Essas suspeitas estão relacionadas ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que era presidente da seção mineira do PSL, partido do presidente do Jair Bolsonaro.

Em nota enviada pela assessoria, o ministro do Turismo "reafirma a confiança na Justiça e mantém a convicção de que o inquérito vai comprovar que as denúncias são completamente infundadas".

As investigações serão conduzidas pela Polícia Federal de Minas Gerais. O caso, até então, vinha sendo investigado pelo Ministério Público de Minas, que chegou a enviar uma requisição à Polícia Federal na última sexta-feira pedindo ajuda na investigação.

Álvaro Antônio se elegeu deputado federal no ano passado. Pelo suposto esquema, a candidatura do ministro teria sido beneficiada com transferências para assessores de dinheiro do fundo eleitoral destinado a candidatas que tiveram poucos votos, as chamadas "laranjas".

Marcelo Álvaro Antônio afirmou que jamais orientou qualquer assessor a praticar ato ilícito e que, ao tomar conhecimento da denúncia, determinou que fosse apurada. Segundo ele, as investigações são uma oportunidade de esclarecer que não houve irregularidades.

O Ministério Público apura irregularidades no repasse de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha pelo PSL a quatro candidatas a deputada estadual e federal nas eleições de 2018. Elas tiveram votações pouco expressivas apesar de terem recebido dinheiro da sigla, o que levantou a suspeita de uso de candidaturas laranjas.

Marcelo Álvaro Antônio tentou levar a investigação do caso para o âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF) em razão do chamado foro privilegiado. Mas o ministro Luiz Fux, do STF, rejeitou o pedido.

A investigação sobre a distribuição em massa de notícias falsas para influenciar a disputa eleitoral entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) investe em uma nova linha de apuração. O MP (Ministério Público) pediu que as empresas que mantêm serviços de compartilhamento de mensagens, como WhatsApp e Facebook, indiquem nomes e contratos de todos os candidatos, partidos e coligações que compraram publicidade durante as eleições de 2018. No caso dos aplicativos de envio de mensagens WhatsApp e Telegram, deverão ser enviados os dados cadastrais dos investigados. Isso inclui número do telefone celular, endereço, número usado no serviço, CPF ou CNPJ. Os pedidos foram autori... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/02/28/zapgate-whatsapp-laranjas-disparos-de-bolsonaro-e-haddad.htm?cmpid=copiaecola

 




GOOGLE
GOOGLE
Twitter Twitter
ANÁLISES CLÍNICAS
DRa Aline Martins
AO VIVO - RADIO CULTURA
Anuncie Aqui
ANA MORENA - ENTRE NA MODA - 3652-2664